Choque Cultural Inverso – O que esperar depois de ficar uma década longe do Brasil (For Brazilians)

Home/Uncategorized/Choque Cultural Inverso – O que esperar depois de ficar uma década longe do Brasil (For Brazilians)

Choque cultural inverso é quando voltamos ao nosso país de origem e ficamos chocados com a cultura que uma vez foi nossa, mas da qual já estamos a muito tempo afastados. Alguns dizem que o choque inverso é muitas vezes pior do que o choque cultural que recebemos quando visitamos um país novo, pois estamos, de uma certa forma, esperando algo estranho e diferente. No entanto, quando voltamos a um lugar que já foi a nossa casa, temos a expectativa de encontrar algo familiar, que já conhecemos. Uma vez que, ao chegar, somos confrontados com uma cultura bem diferente da que estamos acostumados, a sensação é chocante.

Foi isso que aconteceu comigo depois de ficar mais de nove anos sem ir ao Brasil. Noticias na internet, estórias de amigos que vão visitar todo ano, nada disso te prepara para quando você pisa lá. Uma vez lá, sentimos na pele o que é o dia-dia no Brasil de hoje.

Claro que nem tudo é ruim, longe disso. Tem coisas que esquecemos de como são boas. Portanto, vou resumir aqui as coisas boas e ruins mais notáveis depois de quase uma década longe do Brasil.

 

Coisas Boas

 

  1. Comida com gosto. Da churrascaria a hamburgueria, a comida lá ainda é feita com jeito. Um dos meus lugares preferido em São Paulo é o Joakins, uma hamburgueria tradicional aberta desde dos anos 60. O sanduba lá vem com uma maionese temperada e um queijo com gosto de queijo. Não é só lá, no boteco a picanha na chapa parece que foi feita com manteiga e no restaurante italiano o molho é de tomate mesmo. Quando você vai ao um lugar e vê os mesmos cozinheiros e garçons trabalhando lá desde que você tem cinco anos, fica fácil entender porque a a comida é gostosa. Em comparação, a comida na Austrália não é ruim, mas é meio sonsa. Parece que tudo tem mais ou menos o mesmo gosto.

 

  1. Mordomia. O atendimento em hotéis, restaurantes e bares é outra coisa, uma baita mordomia. A Austrália é a terra do ‘do it yourself’, do te vira negão. Aqui são poucas as mordomias e tem até pub que você paga $30 e ainda tem que cozinhar o próprio steak. No Brasil chega até incomodar o quanto somos bajulados. No hotel, tem sempre alguém para levar as malas ao quarto, na churrascaria, você olha para o lado e já tem um garçom lá pronto para te atender, no boteco você só precisar levantar a bunda da cadeira para ir ao banheiro, o copo de cerveja esta sempre cheio. E na praia? é só levantar o braço que te trazem agua de coco, cerveja, camarãozinho frito e etc.

 

  1. Simpatia e o sorriso das pessoas. Apesar do país estar numa mierda federal, no geral, o brasileiro é um povo alegre e risonho. Você anda na rua, e as pessoas tem expressão na cara. O contraste vem do fato que os australianos ainda tem aquele ranço britânico e parecem sempre andar na rua, praia e transporte publico com cara que vai estourar a hemorroida se sorrirem muito.

 

  1. Paixão e emoção. Esse é um ponto semelhante ao de cima. Fui num estádio de futebol e como é diferente o modo do brasileiro torcer comparado com o australiano? Durante o jogo todo, a torcida canta, acompanha de pé as jogadas e vibra com os gols. Aqui na Austrália, assistir esporte é boring, mais legal ver na TV, uma vez que parece que as pessoas no estádio assistem o jogo como se estivessem em casa. O mesmo vale para show de musica. Sim, muitas vezes no Brasil o problema é o excesso de entusiasmo que leva a violência.

 

  1. Conveniência. Tudo esta aberto desde de cedo até tarde. Se precisar de algo, não precisa esperar até o dia seguinte ou até 5a `a noite para fazer ou comprar o necessário. Precisa fazer alguma coisa na 6a as 8 da noite? Vai lá que vai estar aberto.

 

Coisas Ruins

 

  1. Burocracia, demora e falta de organização. Coisas que levariam questão de minutos ou até segundos na Austrália, no Brasil podem levar horas. Tudo lá requer uma extensa lista de documentação, múltiplas filas, atendentes que não sabem o que estão fazendo e uma falta de urgência geral. Se prepara para ter muita paciência, pois será necessário. O exemplo mais gritante foi devolver um carro alugado. Levei uma hora e quase perdi meu voo, porque era necessário ‘fechar o contrato’ e na minha frente havia uma fila sendo atendida por uma garota que não estava nem ai. Fui renovar minha carteira de motorista e depois de visitar cinco guichês diferentes, ainda tive que voltar no dia seguinte para retirar o documento. Na Austrália devolver um carro alugado exige apenas jogar a chave numa caixa e renovar a carteira de motorista leva no máximo meia hora, e você ainda sai com o documento na mão. Tenho vários outros exemplos, check-in em aeroporto e hotel, comprar um SIM pré-paga, a lista é extensa.

 

  1. Falta de educação e cortesia com o próximo. O brasileiro pode ser simpático e risonho mas não pensa duas vezes antes de querer levar vantagem. Fila é algo meramente sugestivo. Você esta lá sendo atendido depois de esperar horas na fila e ai chega alguém com aquele papo de ‘só uma perguntinha, você não se importa?’ Quando vai ver a pessoa já esta lá cinco minutos atrasando a sua vida. Outras coisas que incomodam são: o habito de falar alto em lugar publico, segurar elevador para bater papo e tocar musica em volume alto na praia, prédio e a noite como que se todo mundo fosse obrigado a ouvir o que querem que escutemos. Algo que ainda acontece que já achava que era estória é a mania de deixar cachorro cagar na rua e deixar a bosta lá para algum felizardo pisar e levar o souvenir pra casa.

 

  1. Falta de patriotismo. Concordo, as vezes é difícil ter orgulho de um país que não progride, onde são cobrados os mais altos impostos somente para acabar no bolso de filhos-da-puta. Essa é quase uma questão do ovo e da galinha. Será que o pais está na merda porque a falta de patriotismo faz com que não nos importemos e façamos boas escolhas? Ou a falta de patriotismo vem porque ainda estamos e parece que não vamos sair da merda? Naquele mesmo jogo de futebol, assim como fazem em outros países, pediram para que nos levantássemos para cantar o hino. Fiquei surpreso, porque antes da sair do pais, cantar o hino só em jogo da Seleção. Eu lá preocupado se ia lembrar as letras e assim que o hino começou a tocar, os torcedores ao meu lado começaram a zombar das letras do hino. Não só eles, mas os filhos pequenos também. Ai depois perguntamos, por que o país esta na merda? Aqui na Austrália, as pessoas cantam o hino com orgulho, e o país é um reflexo disso.

 

  1. Elitismo. Não sei se isso é algo mais comum em São Paulo, ou se é generalizado. Tinha esquecido de como elitista é o brasileiro de classe media alta. Uma coisa legal da Austrália é que apesar de ter diferentes classes sociais, a diferença é bem menos notável do que no Brasil. Carro, bairro, restaurantes, roupas, destinos de viagem, não são coisas que a maioria dos australianos usa para se exibir e mostrar status. Em São Paulo, dentro do que era o meu circulo social, só se fala nisso. Não só isso, mas também gostam de falar mal e zombar de gente mais humilde. Aqui na Austrália, pedreiro, encanador, motorista de taxi vivem tão bem ou melhor que executivos. Na verdade, no fim de semana, fica até difícil distinguir um do outro, uma vez que a maioria dos australianos está feliz vestindo as suas regatas, havaianas e bonés Rip Curl. Outra coisa que incomoda é maneira que algumas pessoas tratam garçons e motoristas de taxi/Uber com prepotência e arrogância devido a profissão que exercem. Na Austrália, chegamos sentar ao lado do motorista de taxi para que o cara não se sinta menosprezado.

 

  1. Claustrofobia. Não sou naturalmente claustrofóbico, mas me senti assim em São Paulo. Morando nas Northern Beaches de Sydney, sinto que tenho toda a liberdade e segurança para sair de casa e fazer uma caminhada, ir a praia, ou dar uma volta de moto. Em Sampa, me senti preso dentro de casa. Sair para dar uma caminhada só para que tem tendências suicidas. Lá, as pessoas vão de casa para a garagem, da garagem para o trabalho/shopping/casa dos outros, pegam transito, ai vão de volta para o carro e do carro para garagem de casa. Talvez, isso seja algo mais sintomático de morar em São Paulo, mas com a falta de segurança aumentando em todas as cidades, parece que não será um problema exclusivo dos paulistanos.

 

Não espero que todos concordem com os ponto a cima, pois isso foi somente a minha experiência. Claro que outras pessoas vão notar outras coisas. Caso tenha passado por um outro tipo de choque cultural inverso, faça um comentário.

About the Author:

Leave A Comment